Realidade Notícias - Sua fonte de notícias na cidade de Uberlândia e região

(Re)uso de água: possibilidade ou necessidade?

Você sabia que o uso da água não potável em casa é cada vez mais frequente?

Que a água é importante, já sabemos desde “1900 e bolinha”, ou praticamente desde que nós nascemos. Mas, que a água não-potável, aquela que já foi usada pelo menos uma vez, pode ser reaproveitada para muitos fins, isso sim, é novidade!

Para começo de conversa, água potável, segundo o Ministério da Saúde (Portaria nº 1469/2000), é toda a água que está em conformidade com os padrões de qualidade para consumo humano sem risco à saúde. Portanto, a água não-potável, que teve seu reúso regulamentado pelo governo do estado de Minas Gerais, não é própria para o consumo humano ou matar a sede de animais, como o próprio nome já indica.

Então, como, quando e para quê se (re)usa água não-potável no dia-a-dia?

Embora já existam algumas técnicas de reúso de água bastante difundidas para a indústria como forma de economia financeira e do próprio recurso natural, o seu uso doméstico ainda está engatinhando e pouquíssimas pessoas sabem como fazer o reúso da água. Então, se você não quer ser aquela pessoa que desconhece de coisas importantes, segue o fio.

  1. Por que (re)usar água não-potável?

Porque a água é um recurso natural finito, limitado (ou seja, tem fim!) e que não está suportando o aumento da sua demanda, uma vez que, quanto mais pessoas (e animais domésticos) existirem no mundo, mais água potável será necessária para satisfazê-las. Dessa forma, é necessário conter o uso de água potável para fins indignos (como lavar calçadas com mangueira) e promover o reúso da água que já foi usada para alguma atividade em casa, por exemplo, lavar roupas.

O reúso de água não-potável surgiu como uma ferramenta para tornar o uso racional de água cada vez mais sustentável. Nesse contexto, várias técnicas para reúso de água foram criadas, principalmente nos meios agroindustriais. Reutilizar a água não-potável é uma forma de economizar água potável, diminuir a ineficiência (ou aumentar a eficácia) das estações de tratamento de água e esgoto, garantir o abastecimento humano, o desenvolvimento econômico e evitar eventos catastróficos, como enchentes e escassez de água.

O uso racional de água tem sido debatido há muitos anos. A escassez e outros problemas relacionados à água tem surgido no mundo inteiro ao longo dos anos e com perspectiva de piora (!), caso os governantes não levem esse assunto a sério. Nesse sentido, o estado de Minas Gerais deu um passo importante e imprescindível para o desenvolvimento sustentável. No último mês de junho, o governo de Minas Gerais, regulamentou, por meio da Deliberação Normativa nº65, o reúso direto de água não-potável proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) de sistemas públicos e privados, ficando em pé de igualdade apenas com outros dois estados brasileiros, São Paulo e Ceará, que já haviam aplicado esse instrumento público para minimização do consumo de água potável (leia aqui). Com isso, a água de reúso poderá ser aplicada em zona urbana, como na lavagem de carros, calçadas, praças, ruas, irrigação de canteiros, jardins, entre outras atividades em que não se cabe mais o uso de água potável proveniente das mangueiras e torneiras domésticas. Além disso, a água de reúso também poderá ser usada em projetos de recuperação florística ou de áreas degradadas, desde que o acesso a essas áreas seja controlado e monitorado.

  1. Quando e como fazer o reúso correto da água?

A adoção de medidas que reduzem o consumo de água potável tem o objetivo de trazer benefícios para o nosso planeta, mas é de grande importância que nós tenhamos cuidado com esse uso, caso contrário, teremos graves problemas sanitários. Mas, calma, também não é “o bicho de sete cabeças”, são apenas algumas exigências e critérios que foram estabelecidos para a segurança de todos.

Segundo o manual: Conservação e Reúso da água em Edificações, a água para irrigação, rega de jardins e lavagem de pisos e carros. Ela não deve apresentar mau-cheiro, conter componentes que prejudiquem as plantas ou que estimulem o crescimento de pragas. Essa água de reúso também não deve manchar superfícies, propiciar infecções ou a contaminação por vírus ou bactérias prejudiciais à saúde humana, nem deve conter sais ou substâncias que fiquem nas superfícies após secar. É importante saber disso, porque são precauções que devem ser observadas antes do uso da água não-potável.

As Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) são responsáveis pela limpeza, ou tratamento, da água proveniente dos vários usos humanos (após escorrer para o ralo) e podem, depois, distribuir a água tratada para fins de reúso (com a devida identificação, conforme a Resolução nº 54/2005 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Entretanto, existem algumas ações feitas pelos cidadãos que tornam esse processo mais fácil e rápido, ou então, difícil e lento. Descartes indevidos no vaso sanitário prejudicam o trabalho das ETEs, assim como, o despejo de óleos e gorduras na rede de esgoto e descarte de lixos nas ruas (que acabam parando do esgoto). Essas coisas exigem mais processos de limpeza nas ETE’s e podem, inclusive, impedir o reúso da água. Sendo assim, se os cidadãos puderem evitar essas (e outras) atitudes, o desempenho das ETEs seria muito melhor e, por consequência, o abastecimento de água na cidade também.

No Brasil, a demanda por uso de água é cada vez maior. O aumento foi estimado em 80% no total de água retirada nas últimas duas décadas. Segundo dados coletados por várias estações meteorológicas espalhadas pelo país, a previsão é de que a retirada de água aumente 26% até 2030. É possível observar que a evolução das finalidades do uso de água está diretamente relacionado ao desenvolvimento econômico e ao processo de urbanização do país. Mais dados! O Relatório Anual da Agência Nacional das Águas (ANA, 2019), informa que foram retirados 171 m³/s de água destinados ao abastecimento animal e 1.020 m³/s de água para a irrigação. A taxa de retorno dessas atividades, ou seja, a água usada que retorna à natureza, é menor que 30% e grande parte é desperdiçada durante o uso (nem favorece a produção, nem retorna à natureza, acumula-se em poças, lamaceiros ou evapora para o ar). Além disso, as duas atividades citadas, irrigação e consumo animal, correspondem, em média, a 58% do total de água retirada no Brasil anualmente. Isso tudo contribui para o aumento do estresse hídrico (a proporção entre a retirada de água doce e o total dos recursos de água doce disponíveis do país) ao longo dos anos.

            Levando-se em conta o que foi informado e segundo o conjunto de leis e deliberações nacionais e estaduais, técnicas de reúso da água são relativamente recentes. A cada ano, mais pesquisas são desenvolvidas e novos projetos e normas são criados. Porém, uma coisa é certa, o reúso não só é possível, ele é necessário! A água pode ser reutilizada em vários setores na sociedade, seja industrial, agrícola, na geração de energia, no lazer e nas atividades domésticas diárias.

Durante as próximas semanas, o reúso de água será abordado nesta coluna, inclusive, apresentaremos algumas técnicas que você pode adotar em sua casa! Fique atento(a)!

 

 

 

Texto escrito por Thomas Giozza e Samantha Winter com colaboração e revisão da Engª. Ingrid Pacheco. Esta é uma produção que constitui o projeto de extensão universitária Água se Cuida, realizado por estudantes do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal de Uberlândia. Para mais informações, siga as redes sociais: @projetoaquatec e página do Facebook

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

(Re)uso de água: possibilidade ou necessidade?

Que a água é importante, já sabemos desde “1900 e bolinha”, ou praticamente desde que nós nascemos. Mas, que a água não-potável, aquela que já foi usada pelo menos uma vez, pode ser reaproveitada para muitos fins, isso sim, é novidade!

Para começo de conversa, água potável, segundo o Ministério da Saúde (Portaria nº 1469/2000), é toda a água que está em conformidade com os padrões de qualidade para consumo humano sem risco à saúde. Portanto, a água não-potável, que teve seu reúso regulamentado pelo governo do estado de Minas Gerais, não é própria para o consumo humano ou matar a sede de animais, como o próprio nome já indica.

Então, como, quando e para quê se (re)usa água não-potável no dia-a-dia?

Embora já existam algumas técnicas de reúso de água bastante difundidas para a indústria como forma de economia financeira e do próprio recurso natural, o seu uso doméstico ainda está engatinhando e pouquíssimas pessoas sabem como fazer o reúso da água. Então, se você não quer ser aquela pessoa que desconhece de coisas importantes, segue o fio.

  1. Por que (re)usar água não-potável?

Porque a água é um recurso natural finito, limitado (ou seja, tem fim!) e que não está suportando o aumento da sua demanda, uma vez que, quanto mais pessoas (e animais domésticos) existirem no mundo, mais água potável será necessária para satisfazê-las. Dessa forma, é necessário conter o uso de água potável para fins indignos (como lavar calçadas com mangueira) e promover o reúso da água que já foi usada para alguma atividade em casa, por exemplo, lavar roupas.

O reúso de água não-potável surgiu como uma ferramenta para tornar o uso racional de água cada vez mais sustentável. Nesse contexto, várias técnicas para reúso de água foram criadas, principalmente nos meios agroindustriais. Reutilizar a água não-potável é uma forma de economizar água potável, diminuir a ineficiência (ou aumentar a eficácia) das estações de tratamento de água e esgoto, garantir o abastecimento humano, o desenvolvimento econômico e evitar eventos catastróficos, como enchentes e escassez de água.

O uso racional de água tem sido debatido há muitos anos. A escassez e outros problemas relacionados à água tem surgido no mundo inteiro ao longo dos anos e com perspectiva de piora (!), caso os governantes não levem esse assunto a sério. Nesse sentido, o estado de Minas Gerais deu um passo importante e imprescindível para o desenvolvimento sustentável. No último mês de junho, o governo de Minas Gerais, regulamentou, por meio da Deliberação Normativa nº65, o reúso direto de água não-potável proveniente de Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) de sistemas públicos e privados, ficando em pé de igualdade apenas com outros dois estados brasileiros, São Paulo e Ceará, que já haviam aplicado esse instrumento público para minimização do consumo de água potável (leia aqui). Com isso, a água de reúso poderá ser aplicada em zona urbana, como na lavagem de carros, calçadas, praças, ruas, irrigação de canteiros, jardins, entre outras atividades em que não se cabe mais o uso de água potável proveniente das mangueiras e torneiras domésticas. Além disso, a água de reúso também poderá ser usada em projetos de recuperação florística ou de áreas degradadas, desde que o acesso a essas áreas seja controlado e monitorado.

  1. Quando e como fazer o reúso correto da água?

A adoção de medidas que reduzem o consumo de água potável tem o objetivo de trazer benefícios para o nosso planeta, mas é de grande importância que nós tenhamos cuidado com esse uso, caso contrário, teremos graves problemas sanitários. Mas, calma, também não é “o bicho de sete cabeças”, são apenas algumas exigências e critérios que foram estabelecidos para a segurança de todos.

Segundo o manual: Conservação e Reúso da água em Edificações, a água para irrigação, rega de jardins e lavagem de pisos e carros. Ela não deve apresentar mau-cheiro, conter componentes que prejudiquem as plantas ou que estimulem o crescimento de pragas. Essa água de reúso também não deve manchar superfícies, propiciar infecções ou a contaminação por vírus ou bactérias prejudiciais à saúde humana, nem deve conter sais ou substâncias que fiquem nas superfícies após secar. É importante saber disso, porque são precauções que devem ser observadas antes do uso da água não-potável.

As Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) são responsáveis pela limpeza, ou tratamento, da água proveniente dos vários usos humanos (após escorrer para o ralo) e podem, depois, distribuir a água tratada para fins de reúso (com a devida identificação, conforme a Resolução nº 54/2005 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Entretanto, existem algumas ações feitas pelos cidadãos que tornam esse processo mais fácil e rápido, ou então, difícil e lento. Descartes indevidos no vaso sanitário prejudicam o trabalho das ETEs, assim como, o despejo de óleos e gorduras na rede de esgoto e descarte de lixos nas ruas (que acabam parando do esgoto). Essas coisas exigem mais processos de limpeza nas ETE’s e podem, inclusive, impedir o reúso da água. Sendo assim, se os cidadãos puderem evitar essas (e outras) atitudes, o desempenho das ETEs seria muito melhor e, por consequência, o abastecimento de água na cidade também.

No Brasil, a demanda por uso de água é cada vez maior. O aumento foi estimado em 80% no total de água retirada nas últimas duas décadas. Segundo dados coletados por várias estações meteorológicas espalhadas pelo país, a previsão é de que a retirada de água aumente 26% até 2030. É possível observar que a evolução das finalidades do uso de água está diretamente relacionado ao desenvolvimento econômico e ao processo de urbanização do país. Mais dados! O Relatório Anual da Agência Nacional das Águas (ANA, 2019), informa que foram retirados 171 m³/s de água destinados ao abastecimento animal e 1.020 m³/s de água para a irrigação. A taxa de retorno dessas atividades, ou seja, a água usada que retorna à natureza, é menor que 30% e grande parte é desperdiçada durante o uso (nem favorece a produção, nem retorna à natureza, acumula-se em poças, lamaceiros ou evapora para o ar). Além disso, as duas atividades citadas, irrigação e consumo animal, correspondem, em média, a 58% do total de água retirada no Brasil anualmente. Isso tudo contribui para o aumento do estresse hídrico (a proporção entre a retirada de água doce e o total dos recursos de água doce disponíveis do país) ao longo dos anos.

            Levando-se em conta o que foi informado e segundo o conjunto de leis e deliberações nacionais e estaduais, técnicas de reúso da água são relativamente recentes. A cada ano, mais pesquisas são desenvolvidas e novos projetos e normas são criados. Porém, uma coisa é certa, o reúso não só é possível, ele é necessário! A água pode ser reutilizada em vários setores na sociedade, seja industrial, agrícola, na geração de energia, no lazer e nas atividades domésticas diárias.

Durante as próximas semanas, o reúso de água será abordado nesta coluna, inclusive, apresentaremos algumas técnicas que você pode adotar em sua casa! Fique atento(a)!

 

 

 

Texto escrito por Thomas Giozza e Samantha Winter com colaboração e revisão da Engª. Ingrid Pacheco. Esta é uma produção que constitui o projeto de extensão universitária Água se Cuida, realizado por estudantes do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal de Uberlândia. Para mais informações, siga as redes sociais: @projetoaquatec e página do Facebook

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Parceiros

Veja também

sample52
Thomas Giozza
Thomas Giozza

Qual sua percepção ambiental e climática de Uberlândia-MG?

sample52
Thomas Giozza
Thomas Giozza

Qual a importância das consultorias ambientais para produção rural?

sample52
Thomas Giozza
Thomas Giozza

Você, morador da zona rural, saiba como diminuir sua conta de água!

sample52
Thomas Giozza
Thomas Giozza

Técnicas para o Reúso da água em residências

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )